Polícia Civil (MG) abre concurso com 76 vagas de Delegado

A Polícia Civil do Estado de Minas Gerais (PCMG), através da Divisão de Recrutamento e Seleção, publicou hoje (06) o edital de regulamentação de um novo Concurso Público, regido pelo Edital nº 01/2018, visando o provimento de 76 vagas no cargo de Delegado de Polícia Substituto.

O concurso público será executado, conforme o edital de abertura, pela FUMARC – Fundação Mariana Resende Costa e ACADEPOL – Academia de Polícia Civil de Minas Gerais.


As inscrições poderão ser feita a partir das 9 horas do dia 16 de abril até às 23h (horário de Brasília) do dia 15 de maio de 2018, via internet, através do site www.fumarc.com.br. O valor de inscrição no concurso é R$ 212,00.

A Prova Dissertativa, de caráter eliminatório e classificatório, será realizada em Belo Horizonte, e terá duração mínima de 2 horas e máxima de 4 horas, sendo aplicada na data provável de 12 de agosto de 2018. Os locais e hora de realização da Prova Dissertativa estarão disponíveis para consulta na internet no mínimo cinco dias antes da data de sua realização.

Edital Concurso PCMG 2018Clique aqui

Descrição sumária das atividades: ao Delegado de Polícia, na qualidade de autoridade policial, incumbe, funções como:

  • a) presidir a investigação criminal de acordo com seu livre convencimento técnico-jurídico, com isenção e imparcialidade;
  • b) decidir sobre o indiciamento, desde que seja realizado por ato fundamentado, mediante análise técnico-jurídica do fato, que deverá indicar a autoria, materialidade e suas circunstâncias;
  • c) requisitar a realização de exames periciais, informações, cadastros, documentos e dados, bem como colher provas e praticar os demais atos necessários à adequada apuração de infração penal e do ato infracional, observados os limites legais;
  • d) decidir sobre a lavratura do auto de prisão em flagrante;
  • e) representar à autoridade judiciária para a decretação de medidas cautelares reais e pessoais;
  • f) presidir inquéritos policiais, a lavratura de autos de prisão em flagrante delito, de termos circunstanciados de ocorrência, de interrogatórios, de oitivas e demais atos e procedimentos de natureza investigativa, penal ou administrativa;
  • g) formalizar o ato de indiciamento, fundamentando a partir dos elementos de fato e de direito existentes nos autos;
  • h) promover o bem-estar geral, a garantia das liberdades públicas, o aprimoramento dos métodos e procedimentos policiais, a polícia comunitária e a mediação de conflitos;
  • i) dirigir os serviços de trânsito e a identificação civil e criminal no âmbito do Estado.

Informe Erro Carregando...