FUnC – SC realiza processo seletivo para Professor Substituto

A Fundação Universidade do Contestado – FUnC, TORNA PÚBLICO, a quem interessar possa, que se acham abertas as inscrições ao Processo Seletivo para Contratação de Professores Substitutos, conforme as disposições deste edital.

1. DAS VAGAS EXISTENTES


As vagas para admissão nos termos deste edital estão relacionadas no quadro ANEXO I, sendo 2% (dois por cento) do total, destinadas a Candidatos Portadores de Deficiência.

2 DAS INSCRIÇÕES

2.1 As inscrições serão realizadas no período de 29/07/2014 a 04/08/2014, nos locais e horários estabelecidos no ANEXO III.

2.2 O candidato deverá requerer sua inscrição por meio do preenchimento, sem rasuras, da ficha de inscrição (ANEXO II), subscrita pelo próprio candidato e apresentar os documentos exigidos para a inscrição, constantes do item 3, do presente Edital.

2.3 Poderão inscrever-se neste processo os candidatos que atendam aos requisitos de formação estabelecidos no quadro de vagas do ANEXO I.

3. REQUISITOS E DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSCRIÇÃO

3.1 São requisitos para inscrição:

a) Ser brasileiro nato, naturalizado ou estrangeiro portador de “Visto Permanente”.

b) Estar em dia com as obrigações eleitorais (candidatos de nacionalidade brasileira).

c) Estar em dia com as obrigações do Serviço Militar, para os candidatos do gênero masculino (candidatos de nacionalidade brasileira).

d) Possuir titulação mínima exigida para a vaga pleiteada.

3.2 São necessários, no ato da inscrição, fotocópia dos seguintes documentos:

a) Cédula de identidade ou carteira de identidade profissional;

b) Certificado de reservista ou equivalente para candidatos do gênero masculino;

c) Comprovante da situação eleitoral;

d) Diploma de Graduação;

e) Histórico Escolar da Graduação;

f) Diplomas de cursos de. Pós-Graduação, com histórico escolar.

g) Comprovantes de experiência no magistério superior, quando houver;

h) Curriculum construído na Plataforma Lattes; com a produção científica comprovada através de fotocópia dos certificados de publicação, bem como da capa do periódico onde consta o título e autoria do artigo ou da primeira página do artigo identificando-se o seu título e autoria,

i) Comprovante de pagamento da taxa de inscrição.

3.2.1 A taxa de inscrição, pagável à Universidade do Contestado – UnC, deverá ser recolhida mediante depósito bancário junto ao Banco do Brasil, Ag. 3428-2, C/C: 47776-1, no valor de R$ 50,00 (cinquenta reais).

4 DEMAIS CONDIÇÕES PARA A INSCRIÇÃO

4.1 As informações prestadas no formulário de inscrição são de inteira responsabilidade do candidato, sendo excluído do processo seletivo aquele que não preencher o formulário de forma completa e correta ou fornecer dados comprovadamente inverídicos.

4.2 Em caso de erro no preenchimento do formulário de inscrição, esta será indeferida, independentemente de qualquer aviso ou diligência.

4.3 Uma vez efetivada a inscrição, não será permitida, em hipótese alguma, qualquer alteração. Cabe ao interessado certificar-se de que atende a todos os requisitos para participar do processo seletivo.

4.4 Os títulos acadêmicos obtidos no exterior serão aceitos desde que convalidados por Instituição de Ensino Superior Brasileira, nos termos da legislação educacional. Outros documentos obtidos no exterior, apresentados para efeito de pontuação na prova de títulos, deverão ser acompanhados de tradução realizada por tradutor público juramentado.

5 DO PROCESSO DE SELEÇÃO

O processo de seleção será realizado em duas etapas.

5.1 ETAPA DE CARÁTER ELIMINATÓRIO

5.1.1 Nesta etapa os candidatos serão submetidos a uma Prova Escrita com 20 (vinte) questões de múltipla escolha, com 5 (cinco) alternativas cada, valendo meio ponto cada questão.

5.1.2 O ementário e bibliografia constam do ANEXO I.

5.1.3 O dia e horário da prova, com duração máxima de 2 (duas) horas, está estabelecido no Cronograma – ANEXO III. Após o horário estabelecido para início não será permitida a entrada de candidatos nas salas de realização das provas.

5.1.4 Será eliminado do processo seletivo o candidato que não obtiver no mínimo nota 5,0 (cinco) na prova escrita.

5.2 ETAPA CLASSIFICATÓRIA / PROVA DE TÍTULOS

5.2.1 A prova de títulos será realizada mediante a documentação apresentada no ato da inscrição, cuja pontuação segue a tabela abaixo, limitado ao máximo de 10 (dez) pontos.

Título Ponto(s)
Graduação 0,0
Especialização na área: 1,0
Mestrado na área: 5,0
Doutorado: 10,0

6 DA CLASSIFICAÇÃO, SELEÇÃO E PUBLICAÇÃO DO RESULTADO DO PROCESSO SELETIVO

6.1 Serão classificados somente os candidatos que participarem das duas etapas do processo seletivo.

6.2 A classificação final dos candidatos dar-se-á pela ordem decrescente do valor obtido através da seguinte fórmula:

NF = (E + PT)/ 2

Onde:

NF = Nota final
PE = Prova escrita
PT = Prova de títulos

6.3 Ocorrendo empate na nota final, o critério de classificação obedecerá a seguinte ordem de preferência:

a) Candidato mais idoso;

b) Maior titulação;

c) Tempo de serviço no Magistério Superior.

6.4 Serão selecionados os candidatos de acordo com o número de vagas, pela ordem de classificação.

6.5 O resultado final do processo seletivo será publicado através de Edital, conforme ANEXO III, no site www.unc.br.

7 DA ADMISSÃO

7.1 O candidato selecionado para assumir a vaga terá 5 (cinco) dias úteis após notificado no endereço constante da ficha de inscrição, para manifestar-se oficialmente no Setor de Recursos Humanos, sobre aceitação da contratação.

7.2 O não pronunciamento, não comparecimento ou não aceitação do candidato selecionado no prazo estabelecido, acarretará na sua exclusão do processo seletivo, sendo facultado à Instituição a convocação dos candidatos seguintes.

7.3 A contratação do candidato ocorre conforme o estabelecido neste Edital, pelas disposições dos Ordenamentos Jurídicos vigentes na Instituição, normas complementares, bem como na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e no PCMSO (Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional).

7.4 A admissão pelo processo seletivo não dá direito à efetividade e/ou estabilidade na instituição, uma vez que o contrato observa o regime da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

8 DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

8.1 A aprovação e a classificação do candidato gerará a expectativa do direito de ser contratado, obedecida a ordem de classificação, atendendo a disponibilidade orçamentária/ financeira, ficando a concretização deste ato condicionada à observância das normas Estatutárias da Fundação Universidade do Contestado – FUnC.

8.2 O presente processo seletivo terá validade de 12 (doze) meses a partir da data da publicação do resultado final.

8.3 Em hipótese alguma será aceito juntada de documentos à posteriori.

8.4 Sempre que necessário a Fundação Universidade do Contestado – FUnC divulgará normas complementares e avisos oficiais sobre o Processo Seletivo na Home Page www.unc.br

8.5 A inscrição do candidato importará no conhecimento e na aceitação tácita das condições do processo seletivo estabelecidas neste Edital.

8.6 Para efeito de admissão, o candidato fica sujeito à realização de exame médico e apresentação do atestado de aptidão, bem como da documentação legal que lhe for exigida.

8.7 É de inteira responsabilidade do candidato acompanhar a publicação de todos os atos e Editais referentes a este Processo Seletivo, que estará disponível no site da UnC www.unc.br

8.8 A contar da publicação do resultado, o candidato poderá solicitar recurso no prazo de 24 (vinte e quatro) horas.

8.9 Os recursos dos candidatos deverão dar entrada na unidade da UnC onde o candidato realizou a inscrição.

8.10 Admitir-se-á um único recurso por candidato e somente poderá ser interposto pelo próprio, não se aceitando recursos por procuração, via postal, fax ou correio eletrônico e extemporâneo.

8.11 Se, por força de decisão favorável aos recursos, houver modificação na classificação, não se admitirá recursos dessa modificação.

8.12 Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão nomeada para este fim.

8.13 Mais informações poderão ser obtidas nas Secretarias Acadêmicas do Campus/ Núcleo onde o candidato realizar a inscrição.

8.14 Este Edital entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Mafra, SC, 28 de julho de 2014.

Solange Sprandel da Silva
Reitora da UnC

Aldeny de Freitas Rocha
Presidente da FUnC

ANEXO I

QUADRO DAS VAGAS PARA DOCENTES

Campus Curso(s)/ Área Disciplina F
a
s
e
V
a
g
a
(s)
Horário da disciplina Requisitos: Formação e Titulação Ementário Bibliografia Básica
Canoinhas Ciências Contábeis Conta- bilidade Inter- nacional 01 5ª feira (NOT) Graduação: Ciências Contábeis. Pós-Graduação Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Aspectos introdutórios da Contabilidade Internacional. Organismos contábeis Internacionais. Harmonização Contábil Internacional. Práticas de Governança Corporativa. Demonstrações Contábeis em Ambiente Internacional. MANUAL DE ELABORAÇÃO DE DEMONS- TRAÇÕES CONTÁBEIS EM MODELOS INTER- NACIONAIS USGAAP E IFRS. São Paulo: Trevisan editora universitária, 2007. NIYAMA, Jorge Ktsumi. Contabilidade Internacional. 1. ed. 6. tir. São Paulo: Atlas, 2005. OLIVEIRA, Alexandre M. S. de; FARIAS, Anderson de O.; OLIVEIRA, Luiz M. de; ALVES, Paulo S. L. da G. Contabilidade Internacional: Gestão de riscos, governança corporativa, contabilização de derivativos. 1.ed. 1. tir. São Paulo: Atlas, 2008.
Engenharia Florestal Polpa e Papel 01 21/8; 26/9; 16/10; 7/11; 5/12 e 8/12 (NOT) 23/8; 27/9; 18/10; 8/11; 6/12 e 9/12 (MAT) Graduação: Engenharia Florestal ou Engenharia Industrial Madeireira. Pós-Graduação Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Composição química da madeira. Histórico e desenvolvimento da fabricação de celulose e papel. Matérias-primas. Processos de alto rendimento. Processos semiquímicos. Processos químicos. Fabricação de papel. Ensaios do papel. Poluição em Indústrias de Celulose e Papel Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel. Coordenador geral Gastão Estevan Campanato. A história da indústria de celulose e papel no Brasil. São Paulo: Tempo e Memória, 2004. D’ALMEIDA, Maria Luiza Otero. Celulose e Papel. Tecnologia de fabricação da pasta celulósica. São Paulo: IPT, 1988. Vol I. D’ALMEIDA, Maria Luiza Otero. Celulose e Papel. Tecnologia de fabricação do papel. São Paulo: IPT, 1988. Vol II.
Estruturas de madeira 01 3ª e 6ª feiras (NOT) A partir de 10 de outubro. Graduação: Engenharia Florestal, Engenharia Industrial Madeireira ou Engenharia Civil. Pós-Graduação Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Forças no plano. Momento de duas ordens. Resistência dos materiais. Classificação dos esforços. Força normal. Força cortante. Momento fletor. Flexão normal e oblíqua. Esforços combinados. Flexão e cisalhamento. Flexão e força normal. Flambagem de prismas retos e compridos. Instalações e estruturas. BEER, Ferdinand P. & JOHNSTON Jr., E. RUSSEL. Resistência dos materiais. São Paulo: McGraw-Hill, 1982. 659 p. COSTA, Evaristo V. Curso de resistência dos materiais, com elementos de grafostática e de energia de deformação. São Paulo: Nacional, 1974. V. I e II. DI BLASI, Clésio G. Resistência dos materiais. Rio de Janeiro: Interamericana, 1982. 738 p. LACERDA, Flávio Suplicy de. Resistência dos materiais. 4. ed. Porto Alegre: Globo, 1964. V. I e II. NASH, William A. Resistência dos Materiais. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1982. 521 p. PFEIL, Walter. Estruturas de madeira: dimensionamento segundo as normas brasileiras NB11 e os modernos critérios das normas alemãs e americanas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1982. 321 p. NB11. Norma brasileira. Cálculo e execução de estruturas de madeira. 1982.
Engenharia Elétrica Controle Discreto 01 Sábado (MAT/ VESP) Graduação: Engenharia Elétrica. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Análise de Fourier discreta. Teoria da Amostragem. Conversão AD e DA. Análise de Sinais em Sistemas Discretos. Transformada de Fourier para Sinais Discretos. Equações de Diferença. Conceito de Estabilidade e Causabilidade para sistemas Discretos. Transformada z e transformada inversa. Transformada Discreta de Fourier. FFT. Função de Transferência e Espaço de Estado. SANTOS, Winderson. Automação e controle discreto. São Paulo: Érica, 2002. OGATA, Katsuhiko. Engenharia de controle moderno. 4. ed. São Paulo: Pearson. [s/a]. OPPENHEIM Alan V. Sinais e Sistemas, 2ª Edição, Pearson, 2010.0
Eletro-  magnetismo II 01 Sábado Das 8h00 as 11h30 das 13h00 as 16h30 Graduação: Engenharia Elétrica Engenharia em Telecomuni- cações Físico. Pós-Graduação Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Fasores; equações de Maxwell; ondas planas uniformes (OPU): propagação das OPU num meio qualquer, potência associada à OPU – o vetor de Pointing, propagação das OPU em meios sem perdas, propagação das OPU em bons condutores, reflexão de ondas, polarização de ondas; linhas de transmissão (LT): equações e parâmetros básicos, forma hiperbólica das equações de LT, reflexão e casamento de impedâncias, tipos de LT; guias de ondas e cavidades ressonantes; antenas: definição, características básicas, tipos e aplicações, conjuntos e refletores, fórmula de Friis e equação de radar WENTWORTH, Stuart M. Eletromagnetismo aplicado: abordagem antecipada das linhas de transmissão, Porto Alegre – RS: Bookman, 2009. ULABY, Fawwaz T. Eletromagnetismo para engenheiros, Porto Alegre – RS: Bookman, 2007. NUSSENZVEIG, H. Moysés. Curso de física básica: 3 – eletromagnetismo, São Paulo – SP: Edgard Blücher, 2003.
Ciência e Tecnológica dos Materiais 01 6ª feria 19h00 as 22h30 Graduação: Engenharia Químico Engenharia Mecânico. Pós-Graduação Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado A Estrutura dos Sólidos Cristalinos. Imperfeições nos Sólidos. Propriedades Mecânicas dos Metais. Falhas. Aplicações e Processamento de Ligas Metálicas. Estruturas das Cerâmicas, Polímeros e Compósitos. Corrosão e Degradação dos Materiais. Propriedades Elétricas, Térmicas, Magnéticas e Ópticas dos Materiais. Seleção de Materiais, Considerações de Projeto, Questões Ambientais e Sociais. Jr. CALLISTER, WILLIAM D. – Ciência e Engenharia de Materiais uma Introdução – 7ª Ed. – Ed. LTC HIBBELER, R. C. Resistência dos materias. 7Ed. Pearson Education-Br. 2010 MARQUES, Aelfo. Materias de Engenharia Elétrica. Vol 1. Ed 1. Editora Aelfo Marques Luna. 2006
Direito Medicina Legal 10ª 01 2ª feira (NOT) Graduação em Direito ou Medicina, com especialização (pós- graduação lato sensu) Departamento de Polícia Técnica: noções gerais. Documentos médico-legais. Traumatologia forense: conceito, classificação e importância médico-legal. Laudos de: exame de lesão corporal; exame cadavérico; exame de conjunção carnal; exame de atentado ao pudor; aborto; exame psiquiátrico; exame de embriaguez alcoólica; exame toxicológico; exame de investigação de paternidade; insalubridade; acidente de trabalho; indenização; responsabilidade médica e outros do âmbito penal e civil. ALMEIDA JR., F. E COSTA JR., J.B. de O e. Lições de Medicina Legal. 21. ed. São Paulo: Cia Nacional, 1998. CROCE, D e CROCE JR., D., Manual de Medicina Legal. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1988. FÁVERO, F., Medicina Legal. Belo Horizonte: Villa Rica, 1991, Vol. I e II.
Teoria Geral do Processo 01 5ª feira (NOT) Graduação em Direito, com especialização (pós-graduação lato sensu) Histórico, Conceito, Princípios e Especificidades do Direito Processual. Principais Ramos do Direito Processual. Institutos Fundamentais do Direito Processual: Jurisdição e Competência, Ação e Defesa, processo e Procedimento. Partes e Procuradores. Litisconsórcio. Intervenção de Terceiros. Denunciação da Lide. Ministério Público. Órgãos Judiciários e Auxiliares da Justiça. Tendências Contemporâneas em Direito Processual. CINTRA, Antônio Carlos Araújo e outros. Teoria geral do processo. 2ª ed. São Paulo: Malheiros, 2006. MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sergio Cruz. Manual do Processo de Conhecimento. 5. ed. São Paulo: RT, 2006, Vol. II. WAMBIER, Luiz Rodrigues; TALAMINI, Eduardo; ALMEIDA, Flávio Renato Correia. Curso Avançado de Processo Civil. 8. ed. São Paulo: RT, 2006, Vol. I.
Direito do Consumidor 01 2ª feira (NOT) Graduação em Direito, com especialização (pós-graduação lato sensu) Conceito e Princípios do Direito do Consumidor. Legislação Brasileira Específica. Os Direitos do Consumidor e sua Proteção. Contratos de Relação de Consumo. Prazos de prescrição e decadência. Direitos coletivos e individuais homogêneos. Desconsideração da pessoa jurídica. A Defesa do Consumidor em Juízo. Das Ações Coletivas para Defesa de Interesses Coletivos e Individuais Homogêneos. EFING, Antônio Carlos Fundamentos do Direito das Relações de Consumo. Curitiba:Juruá.2003. KHOURI, Paulo Roque. Direito do Consumidor. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2006. MARQUES, Cláudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor: o novo regime das relações contratuais. 5. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2005, Vol. I.
Herme- nêutica Jurídica 01 6ª feira (NOT) Graduação em Direito, com especialização (pós-graduação lato sensu) Hermenêutica jurídica: Principais Escolas e Tendências. Interpretação do Direito. Integração do Direito. Antinomias Jurídicas. Aplicação do Direito. Direito Intertemporal: Especificidades dos Direitos Material e Processual. Retroatividade e Irretroatividade. Direito Adquirido, Ato Jurídico Perfeito e Coisa Julgada. Tendências Contemporâneas em Hermenêutica Jurídica. Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro. CAMARGO, Maria Margarida L. Hermenêutica e Argumentação. 3. ed. Rio de Janeiro:Renovar, 2003. STRECK, Lenio Luiz. Hermenêutica jurídica e(m) crise: uma exploração hermenêutica da construção do direito. 6. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005. WOLKMER, Antônio Carlos. Pluralismo jurídico: fundamentos de uma nova cultura no direito. 3. ed. São Paulo: Alfa Omega, 2001.
Medicina Veterinária Anatomia Veterinária II 01 5ª feiras 8:00 às 11:30 13:30 às 15:10 Graduação: Medicina Veterinária. Pós-Graduação Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Cavidades corporais e membranas serosas. Sistema Nervoso. Aparelho respiratório. Aparelho digestório. Aparelho urogenital. Glândulas mamárias. Placenta. Estesiologia (órgãos da visão e vestibulococlear). Glândulas endócrinas. Anatomia das aves domésticas. CLAYTON, H. M.; FLOOD, P. F. Atlas colorido de anatomia aplicada dos grandes animais. São Paulo: Manole, 2002. DYCE, K. M.; SACK, W. O.; WENSING, C. J. G. Tratado de anatomia Veterinária.2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004. GETTY, R. SISSON, S.; GROSSMAN, J. D. Anatomia dos animais domésticos. 2 v, 5 ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1986.
Microbiologia Veterinária II 01 3ª feiras 13:30 às 15:10 4ª feiras 8:00 às 11:30 Graduação: Medicina Veterinária. Pós-Graduação Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Fungos: morfologia, necessidades e características culturais; diagnóstico laboratorial e patogenicidade dos principais fungos de interesse médico-veterinário. Principais agentes fúngicos de interesse na Medicina Veterinária. Vírus: estrutura, classificação, replicação, isolamento e cultivo, classificação, propriedades gerais, diagnóstico laboratorial, patogenicidade e imunidade dos principais vírus de interesse médico veterinário. BIER, O. Microbiologia e imunologia. São Paulo: Melhoramentos, 1990. KONEMAN, E. W.; ALLEN, S. D. Diagnóstico Microbiológico – Texto e atlas colorido. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. QUINN, J.; MARKEY, B. K.; CARTER, M. E.; DONNELLY, W. J.; LEONARD, F. C. Microbiologia veterinária e doenças infecciosas. Porto Alegre: Artmed, 2005.
Clínica de Pequenos Animais I 01 4ª feiras 8:00 às 11:30 13:30 às 17:00* *desdobramento Graduação: Medicina Veterinária. Pós-Graduação Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Etiopatogenia, fisiopatologia, diagnóstico e terapêutica em dermatologia, nefrologia, neurologia e gastroenterologia. Neonatologia. BIRCHARD, S. J.; SHERDING, R. G. Manual Saunders: clínica de pequenos animais. São Paulo: Roca, 2008. MEDLEAU, L.; HNILICA, K. A. Dermatologia de pequenos animais: atlas colorido e guia terapêutico. 2 ed. São Paulo: Roca, 2009. TILLEY, L. P.; SMITH Jr., F. W. K. Consulta veterinária em 5 minutos: espécies canina e felina. 3.ed. São Paulo: Manole, 2008.
Farmacologia Veterinária II 01 2ª feiras 8:00 às 11:30 Graduação: Medicina Veterinária. Pós-Graduação Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Farmacologia dos tecidos, sistemas e aparelhos dos organismos de animais domésticos. Antimicrobianos e antifúngicos. Antiparasitários. Antineoplásicos. Fármacos que influenciam na gestação das diversas espécies animais. Farmacologia do sistema nervoso central. Farmacologia do sistema digestório. Farmacologia do sistema respiratório. Farmacologia do sistema renal. Farmacologia do sistema cardíaco. Farmacologia do sistema endócrino. GOODMAN, L. S; GILMAN, A. (eds.). As bases farmacológicas da terapêutica. Rio de Janeiro: McGraw Hill, 1996. SPINOZA, H. S.; GORNIAK, S. L.; BERNARDI, M. M. Farmacologia aplicada à medicina veterinária. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. RANG, H. P.; DALE, M. M.; RITTER, J. M. Farmacologia. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
Concórdia Admi- nistração Gestão da Qualidade 01 2ª feira (NOT) Graduação: Administração. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Abordagem sobre a qualidade total. Series ISO 9000, 14000 e outras certificações. Métodos e ferramentas na busca da qualidade total. Estudos de casos de implantação da qualidade total. Temas emergentes na área da qualidade. BALLESTEROS ALVAREZ, Maria Esmeralda. Administração da qualidade e da produtividade: abordagens do processo administrativo. 1ª ed., Atlas, São Paulo, 2001. GIL, Antônio de Lourenço. Auditoria da qualidade: ISO 9000/10000: Visão 2000. 3ª ed., São Paulo: Atlas, 1999. JURAN, J.M. A qualidade desde o projeto: novos passos para o planejamento da qualidade em produtos e serviços. São Paulo, Pioneira, 1997.
Economia Aplicada a Admi- nistração 01 Aulas Concentrada 07, 08, 09 13, 14, 15, 16/08 Graduação: Administração. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Política macroeconômica: objetivos e instrumentos. Economia monetária. Políticas de combate à inflação. Crescimento e desenvolvimento econômico. Teoria da determinação da renda. Panorama descritivo da economia brasileira. Economia internacional. PASSOS, Carlos Roberto M. Princípios de economia. SP: Pioneira, 4ª Ed. 2003. GREMAUD, Amaury P., et. Al. Economia brasileira contemporânea. SP: Atlas, 2005. PINHO, Diva Benevides; VASCONCELLOS, Marco Antônio Sandoval de. Manual de economia. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.
Mercado de Capitais 01 Aulas Concentradas 21, 22, 23 26, 28, 29, 30/08 Graduação: Administração. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Poupança e investimento. Sistema financeiro nacional. Ativos financeiros. Bolsa de valores e de mercadorias. Mercado de Ações. O mercado futuro. Mercado de capitais x desenvolvimento econômico. CORDEIRO, R. Curso de mercado de ações. Mafra/SC: ACIM, 2008. LAMEIRA, V. Mercado de capitais. SP: Atlas, edição atualizada. MELLAGI FILHO, A. Mercado financeiro e de capitais. SP: Atlas, edição atualizada.
Finanças II 01 6ª feira (NOT) Graduação: Administração ou Ciências Contábeis. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado. Cultura Orçamentária. Fases do Planejamento. Tipos de Orçamento. Desenvolvimento, acompanhamento, controle e análise tendências e projeções. MOREIRA, José Carlos. Orçamento empresarial: manual de elaboração. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002 PINHEIRO, Roberto Paulo; et. al. Fundamentos de orçamento empresarial. São Paulo: Atlas, 2008 SANVICENTE, Antônio Zoratto & SANTOS, Celso da Costa. Orçamento na administração de empresas: planejamento e controle. 2.ed. SP: Atlas, 2000.
Ciências Contábeis Perícia Contábil 01 5ª feira (NOT) Graduação: Ciências Contábeis. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Perícia Contábil: contexto histórico, conceitos, tipos (judicial, extrajudicial, semijudicial e arbitral), finalidades e campo de atuação. Princípios e Normas brasileiras de perícia contábil. Processo judicial: fases do processo, prova pericial. Perfil profissional e pessoal do perito. Procedimentos periciais; Laudo pericial e parecer pericial. Avaliação, mediação e arbitragem. ALBERTO, Valder Luiz Palombo. Perícia contábil. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2002. CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Princípios fundamentais de contabilidade e normas brasileiras de contabilidade. São Paulo: CFC, 2006. ORNELAS, Martinho Maurício Gomos de. Perícia contábil. 4. ed. SP: Atlas, 2003. Novo Código Civil comentado. Saraiva, 2003. FRANÇA, José Antônio de, et. al. Perícia judicial e extrajudicial. 2. ed. Brasília: 2004
Direito Direito Civil II Obrigações 01 6ª feira (NOT) Graduação: Direito. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Conceito e Princípios do Direito das Obrigações. Modalidades das Obrigações. Transmissão das Obrigações. Adimplemento e Extinção das Obrigações. Inadimplemento das Obrigações. Perspectivas do Direito das Obrigações. GAGLIANO, Pablo Stolze; Pamplona Filho, Rodolfo. Novo Curso de Direito Civil. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2006, Vol. I.. Novo Curso de Direito Civil. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2007, Vol. II.. Novo Curso de Direito Civil. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2003, Vol. III.. Novo Curso de Direito Civil. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2006, Vol. IV. GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro: teoria geral das obrigações. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2006, Vol. 2. VENOSA, Silvio de Salvo. Direito Civil. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2006, Vol. I, II, III, IV, V, VI, VII.
Educação Física Bioquímica 01 Aulas Concentradas 05, 06, 13, 19, 20, 27/08; 10, 17/09; 01/10 Graduação: Educação Física. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Aspectos bioquímicos dos metabolismos aeróbios e anaeróbios, contração muscular no exercício. Princípios bioquímicos da bioenergética. Aspectos bioquímicos de sinalização celular. ALBERTS, Bruce. Biologia molecular da célula. 4.ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. De Robertis, E.M.F.;Hib, Jose. Bases da biologia celular e molecular. 3.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001. LEHNINGER, Albert Lester e col. Lehninger. Princípios de Bioquímica. São Paulo: Sarvier, 2002. JUNQUEIRA, Luiz Carlos Uchoa;Carneiro, José. Biologia celular e molecular. 8.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.
Estágio Curricular Super- visionado Obrigatório I 01 Graduação: Educação Física. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Estágio Supervisionado em Educação Física Escolar na Educação Infantil – Atividade de observação e de participação na prática docente: observação do ambiente e da instituição escolar. Análise da realidade escolar e do currículo. Elaboração e desenvolvimento de projeto de ensino em aulas de Educação Física na Educação Básica (Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio). Participação em atividades escolares de caráter geral (reuniões, encontros). Relatório técnico-científico de estágio: elaboração de documento e socialização da experiência de estágio. COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de Educação Física. Cortez: São Paulo, 1992. JUNIOR, Alfredo G. Didática de Educação Física. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987. SILVA, Pedro Antônio da. 3000 exercícios e jogos para Educação Física escolar. Vol. 1,2 e 3. Rio de Janeiro: Sprint, 2003.
Estágio Curricular Super- visionado Obrigatório II 01 Graduação: Educação Física. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Estágio Supervisionado em Educação Física Escolar na Educação Infantil – Atividade de docência: observação do ambiente e da comunidade escolar. Coleta de dados da instituição e da comunidade. Acompanhamento de atividades de ensino. Análise da realidade escolar e do currículo. Elaboração e desenvolvimento de projeto de ensino em aulas de Educação Física na Educação Infantil. Participação em atividades escolares de caráter geral (reuniões, encontros). Reuniões de acompanhamento e avaliação e encontros de estagiários. Relatório técnico-científico de estágio: elaboração de documento e socialização da experiência de estágio. COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de Educação Física. Cortez: São Paulo, 1992. Grupo de Trabalho Pedagógico. Visão Didática da Educação Física. Livro técnico. S.A. Rio de Janeiro, 1987. JUNIOR, Alfredo G. Didática de Educação Física. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.
Organização da Educação Física em Esporte e Lazer 01 06, 13, 20, 27/10; 03, 10, 17, 24/11; 01/12 Graduação: Educação Física. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Estudos da organização de eventos, administração e regulamentação de atividades na Educação Física e desportos. Competições Esportivas: sistemas utilizados nos processos de competição. Prática pedagógica sob orientação e supervisão docente, compreendendo atividades de observação dirigidas a experiência de ensino WATT, D. C. Gestão de eventos em lazer e turismo. Porto Alegre: Editora Bookman, 2003. ZANELLA, L. C. Manual de organização de eventos: planejamento, operacionalização. São Paulo: Ed. Atlas, 2004. PIMENTEL, Giuliano. Lazer: fundamentos, estratégias e atuação profissional. São Paulo: Fontoura, 2003.
Teoria e prática do handebol 01 02, 09, 16, 23, 30/09; 07, 14, 21, 28/10; 04, 11, 18, 25/11; 02/12; 4 aulas nos dias 08, 22 e 29/10 (4ª feira); 24/10 (6ª feira) Graduação: Educação Física. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado História e evolução. Fundamentação técnica e tática. Aspectos pedagógicos e metodológicos do ensino do Handebol. Noções de regras. Arbitragem. Mini-handebol. Prática pedagógica sob orientação e supervisão docente, compreendendo atividades de observação dirigida na experiência de ensino. EHRET, Arno; SCHUBERT, Renate; SPÄTE, Dietrich. Manual de handebol: treinamento de base para crianças e adolescentes. São Paulo: Phorte, 2002. SANTOS, Ana Lúcia Padrão dos. Manual de mini- handebol. São Paulo: Phorte, 2003. DUBLASIEVICZ, Ricardo Mariano. Atividades Recreativas Para o Aprendizado do Handebol na Escola. 1.ed. Rio de Janeiro. Sprint Editora, 2009
Engenharia Ambiental e Sanitária Zoneamento e Ordenamento Ambiental 01 4ª feira (NOT) Graduação: Engenharia Ambiental e Sanitária; Arquitetura e Urbanismo. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Conceituação teórica e metodológica de zoneamento; critérios naturais, socioeconômicos e políticos-institucionais nas práticas do zoneamento; diagnóstico e prognóstico no zoneamento ecológico-econômico; experiências brasileiras em zoneamento. urbanização e cidade. Concepção e aspectos históricos. O zoneamento ambiental como instrumento de planejamento e de gestão territorial. Métodos e técnicas de zoneamento. A dimensão natural e a dimensão social na construção da cidade. Cidade e Ambiente urbano: Problemas ambientais. Urbanos contemporâneos. Planejamento e gestão urbana. Plano diretor para cidades. BERTUCCI, Liane M. “As Transformações Urbanas na Imprensa Operária: São Paulo, na virada do século XX”. in: Ribeiro, Luiz C. de Q e Pechman, R.M. (org) Cidade, Povo e Nação. Gênese do Urbanismo Moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996. MELLO, Luiz I. de Anhaia Problemas de Urbanismo – Bases para a resolução do problema técnico. São Paulo: Boletim do Instituto de Engenharia de São Paulo, 1929. PECHMAN, Robert M. “O Urbano Fora do Lugar? Transferências e Traduções das Ideias Urbanísticas nos Anos 20″ in: Ribeiro, Luiz C. de Q e Pechman, R.M. (org) Cidade, Povo e Nação. Gênese do Urbanismo Moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996. SINGER, Paul Desenvolvimento Econômico e Evolução Urbana. São Paulo: Editora Nacional, 1977. GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais e lutas pela moradia. São Paulo, Loyola, 1991.
Engenharia Civil Estradas I 01 4ª feira (NOT) Graduação: Engenharia Civil. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Elementos técnicos de projeto de rodovias. Normas técnicas. Estudos dos elementos altimétricos e planimétricos da via. Seção transversal. Concordância horizontal simples. Concordância horizontal em transição. Concordância vertical. Estudo econômico do movimento das massas. Noções de mecânica dos solos aplicados a rodovias. Estudos dos materiais empregados no pavimento. Estudo geotécnico do sub-leito e jazidas. CARVALHO, M. P. Curso de Estradas. PAULA, H. G. Características Geométricas de Estradas. BAPTISTA, C. Nº Pavimentação. Editora Globo. 1975. SOUZA, J. O. Estradas de Rodagem. Livraria Nobel S.A. 1981. CEDERGREEN, Nº R. Drenagem dos Pavimentos de Rodovias e Aeroportos. Livros Técnicos e Científicos S.A. 1980. WILKER, P. S. Engenharia de Drenagem Superficial. CETESB.
Mecânica de Solos I 01 Sábado (MAT) Graduação: Engenharia Civil. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Origem, formação, natureza, caracterização e classificação dos solos. Tensões no solo. Fluxo permanente unidimensional e bidimensional. Compressibilidade e adensamento dos solos. Sondagens e amostragens. Atividades de laboratório. BARRATA, Fernando Emmanuel. Propriedades Mecânicas dos Solos: uma introdução ao projeto de Fundações, Editora Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., 1985. ORTIGÃO, J. A. R. Introdução à Mecânica dos Solos dos Estados Críticos. Editora Livros Técnicos e Científicos Editora S.A. 1995. PINTO, Carlos Souza. Curso Básico de Mecânica dos Solos. Editora Oficina de Textos, 2000. PINTO, Carlos Souza. Curso Básico de Mecânica dos Solos.
Ética e Legislações Aplicadas à Engenharia 01 Aulas Rotativas 04 e 12/08; 03 e 11/09; 03 e 11/10; 06/11; 08 e 09/12 Graduação: Direito. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Noções de Direito. Sistema Institucional Brasileiro. Direito do Trabalho. Regulamentação Profissional. A Profissão como Responsabilidade Social. Direitos e Deveres do Engenheiro. BARROS, W. Direito Civil. ROSSANO, M. V. Direito do Trabalho. SAID, M. Noções de Direito.
Fisioterapia Fisioterapia Aplicada em Amputações, Prótese e Órtese 01 07, 14, 21, 28/08; 04, 11, 18, 25/09; 02, 09, 16, 23, 30/10; 06, 13, 20, 27/11; 04/12 Graduação: Fisioterapia. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Amputações, Classificações e Indicações. Fisioterapia pré e pós amputação; Próteses para membros superiores (tipos, indicações) próteses de membros inferiores (tipos, indicações), Fisioterapia pré e pós-protetização Órteses: tipos, indicações e prescrições. Atuação do fisioterapeuta no treino das atividades de vida diária tanto na utilização de órteses como de próteses. Vivência prática sob supervisão docente. BOCCOLINI, Fernando. Reabilitação. Amputados, Amputações, Próteses. 2 ed. São Paulo: Robe, 2000. CARVALHO, José André. Amputações de Membros inferiores: em busca da plena reabilitação. 2 ed. Barueri: Manole, 2003. O’SULLIVAN, Susan; SHMITZ, Thomas J. Fisioterapia: Avaliação e tratamento, 4 ed. Barueri: Manole, 2003.
Letras Espanhol Metodologia do Ensino de Língua Espanhola I 01 6ª feira (NOT) Sábado (MAT/ VESP) Graduação: Letras- Espanhol. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Diferentes concepções do ensino da Língua Estrangeira Moderna e a percepção da identidade cultural. O momento da reflexão linguística. Análise do ensino de Língua Espanhola na realidade educacional brasileira. Alternativas metodológicas e desenvolvimento de atividades para um projeto de estágio de ensino. Prática: Produção oral sobre identidade cultural. ALMEIDA Filho, José Carlos Paes de. O professor de Língua Estrangeira em Formação. Campinas: Pontes Editores, 1999. BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Médio. Brasília, Ministério da Educação, 1999. HOLDEN s, ROGERS m, Ensino da Língua Inglesa, Editora SBS. RICHARDS, Jack C. & RODGERS, Theodore S. Enfoques y Métodos en la Enseñanza de idiomas. Matrid: Cambridge University Press, 1998. SANTA CATARINA. Proposta Curricular de Santa Catarina: Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio: Disciplinas Curriculares. Florianópolis: COGEN, 1998.
Sistemas de Informação Programação de Com- putadores II 01 5ª feira (NOT) Graduação: Sistemas de Informação; Ciência da Computação. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Representação e tipos de dados estruturados. Subprogramação: parâmetros,funções e procedimentos. Alocação dinâmica de memória. Recursividade. Modularização e reusabilidade. Desenvolvimento de algoritmos e programas CORMEN, Thomas H. et al. Algoritmos: teoria e prática. Rio de Janeiro: Campus, 2002. EVARISTO, Jaime; CRESPO, Sérgio. Aprendendo a programar – Programando numa linguagem algorítmica executável (ILA). Rio de Janeiro: Book Express, 2000.
Curitibanos Arquitetura e Urbanismo Decoração de Interiores 01 6ª feira 22/08; 05 e 19/09; 03, 17 e 31/10; 14 e 28/11; 12/12 Graduação: Arquitetura. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado A disciplina aborda o planejamento de projeto de arquitetura de interiores, e todos os aspectos que devem ser considerados, como materiais e revestimentos de piso, parede e teto, design de mobiliário, iluminação, ergonomia, cor. GIBBS, Jenny. Design de interiores: guia útil para estudantes e profissionais. Gustavo Gili, 2010. GURGEL, Miriam. Projetando espaços: guia de arquitetura de interiores para áreas residenciais. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2005. MANCUSO, Clarice. Guia prático do design de interiores. 2.ed. Porto Alegre: Sulina, 2010.
Resistência dos Materiais II 01 4ª feira 20/08 a 17/12/2014 Graduação: Arquitetura. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Flexão simples; torção; flambagem; critérios de resistência; solicitações compostas; deformação plásticas. BEER, Ferdinand P.; JOHNSTON JR., E. Russell. Resistência dos materiais. 3.ed. São Paulo: Makron Books,, 1995. NASH, William. A. Resistência dos materiais. 4. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2001. SOUZA, Hiran Rodrigues de Resistência dos materiais. São Paulo: Provenza, 1991.
Teoria das Estruturas III 01 3ª feira (NOT) 19/08 a 16/12 Graduação: Arquitetura. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Estruturas de concreto: Modelos de funcionamento das peças de concreto com ênfase para aspectos relacionados com a resistência, execução e durabilidade. Ações externas às quais as estruturas ficam submetidas. Procedimentos de verificação de segurança e de dimensionamento para estados de solicitação mais comuns: sapatas, pilares, vigas, lajes, escadas. Estrutura de madeira: características, propriedades físicas e mecânicas da madeira. Aspectos relacionados com a resistência, execução e durabilidade. Ações externas às quais as estruturas ficam submetidas. Procedimentos de verificação de seguranças e de dimensionamento para estados de solicitação mais comuns: pilares, vigas, treliças planas, coberturas, pisos e ligações entre si. Estrutura de Aço: características, propriedades físicas e mecânicas do aço. Aspectos relacionados com a resistência, execução e durabilidade. Ações externas às quais as estruturas ficam submetidas. Procedimentos de verificação de seguranças e de dimensionamento para estados de solicitação mais comuns: pilares, vigas, treliças planas, e ligações entre si a madeira. REBELLO, Yopanan Conrado Pereira. A concepção estrutural e a arquitetura. 6. ed. São Paulo: Zigurate, 2010. SANTOS, Edevaldo Gomes dos. Estrutura: desenho de concreto armado. 5. ed. São Paulo: Nobel, 1992. 4 v SORIANO, Humberto Lima; LIMA, Silvio de Souza. Análise de estruturas: método das forças e método dos deslocmentos. 2. ed. atual. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, c2006.
Educação Física – Licenciatura Nutrição na Atividade Física 01 16, 23, 30/08; (MAT/ VESP) 06, 13, 19, 20, 27/09; (MAT/ VESP) 04/10 (VEP) Graduação: Educação Física. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Noções básicas sobre nutrição. Dinâmica corporal do macro e micro nutrientes. Demanda alimentar durante a atividade física. Calorimetria e metabolismo. Nutrição e exercício físico. Noções de inquérito alimentar. Alimentação do atleta em várias situações. Mc ARDLE, Willian;KATCH. Frank I.; KATCH, Victor L. Nutrição para o Desporto e o Exercício. 1 ed. Rio de Janeiro: Guanabar Koggan, 2001 BROUNS, Fred. Fundamentos de Nutrição para os Desportos. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabar Koggan, 2005 NABHOLZ, Thais Verdi. Nutrição esportiva: aspectos relacionados à suplementação nutricional. São Paulo, SP: Sarvier, 2007 TIRAPEGUI, Julio. Nutrição: fundamentos e aspectos atuais. 2. ed. São Paulo, SP: Atheneu, 2006
Engenharia de Controle e Automação Eletrônica Básica 01 2ª feira (NOT) 28/07 a 24/11; 01 a 10/12 Graduação: Engenharia de Controle e Automação ou Engenharia Eletrônica. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Noções de física dos semicondutores. Efeito Hall. Efeitos térmicos e fotoelétrico. Dispositivos semicondutores lineares e não-lineares. Circuitos com diodos.Diodos especiais. Transistor bipolar. Transistor de efeito de campo. O transistor operando como chave. O transistor como amplificador. Amplificadores operacionais. Filtros ativos: Projeto e aplicações. MARQUES, Angelo Eduardo B. & CRUZ, Eduardo Cesar Alves & JÚNIOR, Salomão Choueri. Dispositivos semicondutores: diodos e transistores. 4º ed. São Paulo: Érica, 2002. 390 p. MALVINO, Albert Paul. Eletrônica: volume 1. 4º ed. São Paulo: Makron Books, 1997. 747 p. HAYES, Thomas C. & HOROWITZ, Paul. The Art of Electronics. Cambridge University Press, 2001. 613 p. Capuano, Francisco Gabriel. Laboratório de eletricidade e eletrônica. Editora Érica, 2001. 302 p. BOYLESTAD. Dispositivos eletrônicos e Teoria dos circuitos. PHB.
Circuitos Elétricos 01 4ª feira (NOT) 30/07 a 26/11; 11 a 18/12 Graduação: Engenharia de Controle e Automação ou Engenharia Eletrônica. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Leis fundamentais de circuitos elétricos. Grandezas elétrica.Circuitos decorrente contínua e de corrente alternada. Regimes transitórios e permanente. Circuitos polifásicos. Instrumentos e métodos para medição de corrente, tensão, resistência, potência, fator de potência, freqüência. Irwin, J. David Análise de circuitos em engenharia. São Paulo: Pearson Education, 2000. Albuquerque, Rômulo de Oliveira- Circuitos elétricos Editora Érica Albuquerque, Rômulo de Oliveira, ANÁLISE E SIMULAÇÃO DE CIRCUITOS NO COMPUTADOR MULTISIM 2001 Editora Érica Alexander, Charles; Sadiku, Matthew. Fundamentos de circuitos Elétricos – Bookman Capuano, Francisco Gabriel. Laboratório: de eletricidade e eletrônica. 18.ed. São Paulo:, ÉRICA,, 1998. Markus, Otávio (1960-) Circuitos elétricos: corrente contínua e corrente alternada. São Paulo: Érica, 2002. Quevedo, Carlos Peres Circuitos elétricos e eletrônicos Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos – LTC, 2000. Kienitz, Karl Heinz Análise de circuitos: um enfoque de sistemas Barueri: Editora Manole, 2002. Boylestad, Robert L. Introdução à análise de circuitos Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos – LTC, 1998.
Metrologia 01 3ª feira 29/07 a 25/11/2014 Graduação: Engenharia de Controle e Automação ou Engenharia Eletrônica. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Metrologia industrial; instrumentos básicos de medição linear, angular e posição; dispositivos de controle dimensional; LIRA, Francisco Adval de. Metrologia na indústria. 3. ed. São Paulo, SP: Editora Érica LTDA, 2004. 246 p. ISBN 85-7194-783-X. SILVA, Artur Alves. Metrologia geométrica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996. FELIX, Júlio C. A metrologia no Brasil. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora Ltda., 1985.
Projeto para Automação I 01 3ª feira (NOT) 29/07 a 25/11 Graduação: Engenharia de Controle e Automação ou Engenharia Eletrônica. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Definição do Projeto Mecânico para ser automatizado; elaboração do croqui inicial; Dimensionamento; elaboração do projeto: Vistas Ortográficas de cada peça, Perspectiva, Cortes, Modelagem em 3 D, Elaborando o Projeto na Prancha; Memorial Descritivo. Beer, Ferdinannd Pierre, E. Russel Johnston, Jr. Resistência dos Materiais – 3 Ed – São Paulo: MAKRON books, 1995. GIACAGLIA. G.E.O Mecânica Geral para Escolas Superiores. Ed Nobel BEER/ JOHNSTON. Mecânica Vetorial para Engenheiros, Cinemática e Dinâmica. Ed Pearsons Education BEER/ JOHNSTON. Mecânica Vetorial para Engenheiros, Dinâmica. Ed McGraw Hill TENENBAUN. R. A. Dinâmica. Ed UFRJ MERETTO. V.P. Mecânica Ed Ática Protec – Desenhista de Máquinas Protec – Projetista de Máquinas Estephano, Carlos. Desenho Técnico, uma linguagem Básica. Abbott, W – Desenho Técnico – Fundamentos, Desenho Técnico LAZZURI, José Eduardo Cunha (1963-). Mechanical desktop 4.0: guia prático. 2.ed. -. São Paulo, ERICA, 2002. MANFÉ, Giovani; POZZA, Rino; SCARATO, Giovani. Desenho Técnico e Mecânico Para as Escolas Técnicas e Ciclo Básico das Faculdades de Engenharia Curso Completo. São Paulo: HEMUS, 1977. FRENCH, Thomas E.; VIERCK, Charles J. Desenho Técnico e Tecnologia Gráfica. São Paulo: Editora Globo, 1999. LIMA, Cláudia Campos; SANZI, Gianpietro; ESTEVES, Gilson; OLIVEIRA, Adriano de. Apresentação de Projetos para Arquitetos e Designers: AutoCAD 2000i – Arqui_3D v.2000 – Photoshop 5.5. São Paulo; Editora Érica Ltda. 2001. FREITAS, Maurício Pasetto de; PAIM, Adão Lopes. AutoCAD: architectural desktop R3.3, passo a passo. Florianópolis: Bookstores Livraria Ltda. 2001. MATSUMOTO, Élia Yathie. AutoCAD 2002: Fundamentos. São Paulo: Editoral Érica Ltda. 2001.
Proces- samento Digital de Sinais 01 4ª feira (NOT) 30/07 a 26/11 Graduação: Engenharia de Controle e Automação ou Engenharia Eletrônica. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Processamento Digitais de sinais e seus benefícios;área de aplicação; visão geral de processamento de sinais; transformada discreta de Fourier(DFT); Transformada rápida de Fourier(FFT); correlação e auto correlação;aplicação da transformada Z em processamento Digital de sinais;estimadores;hardware para processamento digital de sinais. Aplicações práticas de processamento digital de sinais. Processamento de imagens e de sons. Heck, Bonnie S.; Kamen, Edward W. Fundamentals of signals and systems: using the web and matlabRio de Janeiro: Prentice-Hall, 1999. Haykin, Simon; Veen, Barry Van Sinais e sistemas Porto Alegre: Editora Bookman, 2001.
Redes de Com- putadores para Automação 01 Aulas Concentradas (NOT) 01 a 18/12 Graduação: Engenharia de Controle e Automação. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Conceitos Básicos de comunicação digital: métodos físicos de transmissão, topologias e controle de acesso; modelo de camadas ISO/ OSI; redes locais industriais baseadas nos projetos Map (Manufaturing Automation Protocol); TOP (Technical and Office Protocol) e Proway. Projeto de redes;desenvolvimento de protocolos; análise de topologias; taxa de transmissão e tolerância a falha; aplicações de redes ATM. Torres, Gabriel Redes de computadores: curso completo Rio de Janeiro: Axcel Books,, 2001. Tanenbaum, Andrew S., 1944 Redes de computadores Rio de Janeiro: Editora Campus Ltda, 1997.
Sociologia 01 6ª feira (NOT) 01/08 a 28/11/2014 Graduação: Engenharia de Controle e Automação. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado O olhar sociológico. A história do surgimento da Sociologia: do Renascimento à Revolução industrial. A retomada do pensamento especulativo até o triunfo da ciência. As obras inspiradoras do pensamento sociológico. O positivismo (incluindo o darwinismo social). A Sociologia clássica: Marx, Durkhein e Weber. Cultura e ideologia. Contribuição atual da sociologia do desenvolvimento. Questões da Sociologia Contemporânea. COSTA, C. Sociologia – Introdução à ciência da sociedade. 2.ed. São Paulo: Moderna, 1997. GIDDENS, Anthony. Política, sociologia e teoria social – encontros com o pensamento social clássico e contemporâneo. Tradução de Cibele Saliba Rizek – São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998. Sociologia. 4ª. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. GUARESCHI, Pedrinho. Sociologia crítica: alternativas de mudança. Porto Alegre, Mundo Jovem, 1998. LAKATOS, E.M. Introdução à Sociologia. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1998. MILLS. C. Wrigth. A Imaginação Sociológica. 6ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982. OLIVEIRA, P. S. Introdução à Sociologia. 2. ed. São Paulo: Ática, 2000. TOMAZI, Nelson Dacio. Iniciação à sociologia. São Paulo, Atual, 2000. 2ª ed.
Mafra Ciências Biológicas Licenciatura Biofísica 01 6ª feira (NOT) Graduação: Ciências Biológicas Física. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Medidas em ciências Biológicas. Água, soluções e suas propriedades. pH e tampões. Eletroforese. Cromatografia. Biofísica de membranas: filtração, diálise e transporte. Bioeletrogênese; métodos espectroscópicos: absorção, fluorescência, dispersão rotatória óptica, ressonância magnética nuclear e ressonância de spin eletrônico DURÁN, José Enrique Rodas. Biofísica: fundamentos e aplicações. São Paulo: Pearson Education, 2008. HENEINE, Ibraim Felippe. Biofísica Básica. São Paulo: Editora Atheneu, 2002. GARCIA, Eduardo A.C. Biofísica. São Paulo. Editora SARVIER, 2002.
Ciências Contábeis Conta- bilidade Gerencial 01 3ª feira (NOT) Graduação: Ciências Contábeis. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Introdução e importância da contabilidade gerencial. Filosofias de gestão (Kaizen, JIT, TQM, TOC, Reengenharia de processos). Relação custo/ volume/ lucro. Análises Gerenciais a partir da utilização de relatórios gerenciais e de informações de desempenho de custos no processo decisório. ATKINSON, Anthony A, Rajiv D. Banker, Robert S. Kaplan e S. Mark Young. Contabilidade gerencial. 2 ed., 2008. São Paulo: Atlas, 2008. IUDÍCIBUS, Sérgio de Contabilidade gerencial. 6 ed. São Paulo: Atlas, 1998. PADOVEZE, Clóvis Luiz. Contabilidade gerencial: um enfoque em sistema de informação contábil. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007. GARRISON Ray H. e NOREEN, Eric W. Contabilidade gerencial. 9 ed. Rio de Janeiro: LTC Editora, 2001.
Engenharia Civil Hidráulica II 01 6ª feira (NOT) Graduação: Engenharia Civil. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Hidráulica dos sistemas de recalque. Bombas. Cavitação. Curvas características das tubulações das bombas. Associação de bombas. Golpe de ariete. Hidrometria: Medidas hidráulicas. Atividades de laboratório. AZEVEDO NETTO, J. M.; e ALVAREZ, G. A. Manual de Hidráulica. Editora Edgard Blücher Ltda. São Paulo. 1982. 2 Volumes FEGHALI, J. P. Mecânica dos Fluídos. Livros Técnicos Científicos Editora. Rio de Janeiro. 1974. 2 Volumes PIMENTA, C. F. Curso de Hidráulicas Geral. 4. ed. Rio de Janeiro. Editora Guanabara Dois. 1981. 2 Volumes. SILVESTRE, P. Hidráulica Geral. Livros Técnicos Científicos. Editora Rio de Janeiro. 1982.
Porto União Ciência da Computação Computação Gráfica 01 Sábado (MAT) Graduação: Ciência da Computação. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Transformações geométricas em duas e três dimensões, coordenadas homogêneas e matrizes de transformação, Recorte, transformada de viewport. Projeção paralela e perspectiva. Definição de cenas e objetos 3D. Processo de rendering: fontes de luz, cores, aplicação de texturas. AZEVEDO, Eduardo; CONCI, Aura. Computação gráfica: teoria e prática. Rio de Janeiro – RJ: Elsevier, 2003. FOLEY, James D., DAM, Andries Van, FEINER, Steve K., HUGHES, John F. Computer Graphics – Principles and Proctice. Addison Wesley, 1996. GOMES, Jonas; VELHO, Luiz. Computação Gráfica. Rio de Janeiro: IMPA, 1994. GOMES, Jonas; VELHO, Luiz. Computação Gráfica: Imagens. Rio de Janeiro: IMPA, 1994. GONZALEZ, Rafael C. & WOODS, Richard E. Processamento de Imagens Digitais. Edgar Blucher Ltda., 2000.
Música Instrumento VII – Teclado 01 2ª feira (NOT) Graduação: Música. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Harmonização de pequenas peças musicais. Escalas maiores e menores. BOTELHO, Alice. Meu piano divertido. Vol. 1 e 2 CZNERY, Barrozo Neto. Coletânea. São Paulo: Ricordi. FLETCHER, Leila. Piano. Vol. 1. Piano. Vol. 2. Piano. Vol. 3.
Psicologia Introdução a Avaliação Psicológica 01 5ª feira (NOT) Graduação: Psicologia. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Fundamentos de avaliação psicológica. Uso de testes e outras formas de avaliação de aspectos do desenvolvimento humano e normas de aplicação. Níveis de interferência, devolução e compatibilização com outros dados gerais do desenvolvimento. Aspectos éticos específicos da avaliação. Testes convalidados. Resolução do Conselho Federal de Psicologia. CAMPUS, Dinah Martins de Souza. O teste do desenho como instrumento de diagnóstico de personalidade. Petrópolis, Vozes, 2000. CUNHA, Jurema Alcides. Psicodiagnóstico. V. Porto Alegre, Artes Médicas, 5ª edição, 2000. DORON, Roland. Dicionário de Psicologia. São Paulo, Ática, 2000.
Técnicas Projetivas 01 4ª feira (NOT) Graduação: Psicologia. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Caracterização, utilização e fundamentação teórica das técnicas projetivas. Importância e normatização das técnicas projetivas. Treinamento na aplicação de testes projetivos. Elaboração de diagnósticos e laudos psicológicos por meio do uso dos testes projetivos. Limitação dos testes projetivos. Aspectos éticos específicos dos testes projetivos de acordo com as resoluções do Conselho Federal de Psicologia e suas convalidações. CUNHA, Jurema A. e NUNES Maria Lucia T. – Testes das Fabulas- forma verbal e pictórica, São Paulo, Centro Editor de testes e pesquisa e psicologia, 1993 HAMMER, Emanuel. Aplicações Clinicas dos Testes dos Desenhos Projetivos. São Paulo, Casa do Psicólogo, 1991. MURRAY, Henry A. Teste de Apercepção Temática, São Paulo, Casa do Psicólogo, 1995.
Teorias e Técnicas Psico- terápicas Infantil 01 5ª feira (NOT) Graduação: Psicologia. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Desenvolvimento e constituição psíquica da criança nas diferentes abordagens teóricas. Origens e desenvolvimento da psicoterapia infantil. Fundamentos de avaliação psicológica na criança. Aspectos éticos específicos da avaliação na infância. A família no processo do psicodiagnóstico infantil. Técnicas de tratamento em psicoterapia infantil. Conceitos e métodos de cada abordagem terapêutica na visão ludoterápica. ANGERAMI, Valdemar Augusto (org). O atendimento infantil na ótica fenomenológico-existencial. São Paulo. Pioneiro Thomson Learning Ltda, 2004. GOLFETO, J. H. Psicoterapia Infantil: uma abordagem junguiana in Arquivos Brasileiros de Psicologia, 1989. AXLINE, V. M. Ludoterapia: A Dinâmica Interior da Criança. Belo Horizonte: Interlivros. 1984. Oklander Violet. Descobrindo Crianças. Editora Summus, 1987.
Rio Negrinho Adminis- tração Comércio Exterior 01 6ª feira (NOT) Graduação: Administração. Pós-Graduação Lato Sensu na área e/ou Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Exportação; Importação; Organismos internacionais; Câmbio; Incoterms; Barreiras e incentivos ao comércio exterior; Siscomex; Monopólios, oligopólios. LOPES VASQUEZ, José. Comércio exterior brasileiro: SISCOMEX Importação e exportação. São Paulo – SP: Atlas 1999. MAIA, Jaime de Mariz. Economia internacional e comércio exterior. São Paulo, Ed. Atlas; 2000. GARCIA, Luiz Martins. Exportar, rotinas e procedimentos, incentivos e formação de preços. 6 ed. São Paulo: Aduaneiras, 1997.
Ciências Contábeis Perícia Contábil 01 3ª feira (NOT) Graduação: Ciências Contábeis. Pós-Graduação Lato Sensu na área de Perícia e/ou. Pós-Graduação Stricto Sensu: Mestrado ou Doutorado Perícia Contábil: contexto histórico, conceitos, tipos (judicial, extrajudicial, semijudicial e arbitral), finalidades e campo de atuação. Princípios e Normas brasileiras de perícia contábil. Processo judicial: fases do processo, prova pericial. Perfil profissional e pessoal do perito. Procedimentos periciais; Laudo pericial e parecer pericial. Avaliação, mediação e arbitragem. ALBERTO, Valder Luiz Palombo. Perícia contábil. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2002. CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Princípios fundamentais de contabilidade e normas brasileiras de contabilidade. São Paulo: CFC, 2006 ORNELAS, Martinho Maurício Gomos de. Perícia contábil. 4. ed. SP: Atlas, 2003. Novo Código Civil comentado. Saraiva, 2003. FRANÇA, José Antônio de, et. al. Perícia judicial e extrajudicial. 2. ed. Brasília: 2004

ANEXO III

CRONOGRAMA DO PROCESSO SELETIVO

Procedimento Cronograma
Inscrições – Mafra 

Secretaria Acadêmica

Av. Presidente Nereu Ramos, 1071

Jardim do Moinho

Fone (47) 3641 5561 Fone (47) 3641 5518

Dias: 28/07 a 04/08/2014 

De Segunda a Sexta-Feira

Das 13h às 16h30min. e das 18h30min. às 22h

Sábado Das 08h às 11h

Inscrições – Canoinhas 

Setor de Protocolo

Rua Roberto Ehlke, 86 Centro

Fone (47) 3622-9999

Dias: 28/07 a 04/08/2014 

De Segunda a Sexta-Feira

Das 13h às 16h30min. e das 18h30min. às 22h

Sábado Das 08h às 11h

Inscrições – Porto União 

Setor de Protocolo

R. Joaquim Nabuco, 314

Bairro Cidade Nova, Porto União – SC

Fone (42) 3523 2328

Dias: 28/07 a 04/08/2014 

De Segunda a Sexta-Feira

Das 13h às 16h30min. e das 18h30min. às 22h

Sábado Das 08h às 11h

Inscrições – Concórdia 

Secretaria Acadêmica

Rua Victor Sopelsa, 3000

Bairro Salete

Fone (49) 3441-1000

Dias: 28/07 a 04/08/2014 

De Segunda a Sexta-Feira

Das 13h às 16h30min. e das 18h30min. às 22h

Sábado Das 08h às 11h

Inscrições – Curitibanos 

Setor de Protocolo

Av. Leoberto Leal, 1904

Bairro Universitário

Fone (49) 3245-4100

Dias: 28/07 a 04/08/2014 

De Segunda a Sexta-Feira

Das 13h às 16h30min. e das 18h30min. às 22h

Sábado Das 08h às 11h

Publicação da Homologação das Inscrições Dia: 05/08/2014 até às 22h.
Prova Escrita Dia: 06/08/2014 

De acordo com cronograma específico que será publicado no site:www.unc.br.

Local: Unidade onde foi feita a inscrição.

Divulgação do Gabarito Até às 22h do dia 07/08/2014
Publicação do Resultado Final Até 11/08/2014
Admissão Na medida da necessidade da Universidade do Contestado – UnC

Informe Erro Carregando...